Histórico do Colégio - AEACE

Busca
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Histórico do Colégio

Colégio

O embrião do Colégio Evangélico deu-se quando o Casal Rev. Aníbal Nora e D Constância Nora . Haviam muitas crianças na idade escolar para uma única Escola Municipal. Sala de aulas funcionou no prédio da Casa Pastoral que era um sobrado (Foto). Porém os jovens cresciam,  e a necessidade de continuar os estudos  levou a algumas pessoas da comunidade a organizarem o Ginásio.
O Capitão Carlos Heringer cedeu um de seus melhores prédios ao qual foi feito um acréscimo,  e com uma oferta de pessoas interessadas em educação para seus filhos,  e conseguiram organizar o Ginásio em 1922 com os internatos masculinos e femininos,  foi inaugurado em 05.03.1923 e reconhecido pelo Governo em 1926.  Foi necessário contratar os professores,  no início, no Rio de Janeiro e São Paulo.  Em Alto Jequitibá havia um farmacêutico, Sr João Augusto de Assis que foi um grande professor,  o Sr Francisco Nora Horta Barbosa, sobrinho do Rev. Aníbal Nora que estudara em Valença , o Prof. Cláudio Neri e sua esposa,  o Rev. João Mota Sobrinho e sua esposa, D Bárbara Johnstone da Silva, Dr. João Damasceno e sua esposa, o engenheiro alemão Dr. Ott e esposa, D Marta Muller foram os esteios daquele que viria a ser um destaque em toda a região, e se projetou grandemente com a chegada do Rev. Cícero Siqueira em 1929.
A escola havia se esvaziado, o número de matrículas reduzido consideravelmente. Os fazendeiros e comerciantes perderam seu poder financeiro de manter seus filhos na escola com a crise econômica. Seu fechamento já era visto por muitos, principalmente pelos presbíteros da igreja, quando o Rev. Cícero propõe com humildade "Permitam que eu tente salvar o ginásio..." e assim ele e sua esposa D, Cecília Rodrigues Siqueira partiram para a luta, e com a contribuição de todos, fazendeiros, comerciantes, etc...  inclusive de cidades vizinhas, ele assume a direção também do Ginásio Evangélico de Alto Jequitibá (pois viera para assumir somente a igreja), e trabalhou duro para conseguir reerguê-lo.O embrião do Colégio Evangélico deu-se quando o Casal Rev. Aníbal Nora e D Constância Nora chegaram a Alto Jequitibá, em 09/09/1908  para assumir o pastorado da Igreja Presbiteriana, ele percebeu que haviam muitas crianças na idade escolar para uma única Escola Municipal. Dona Constância concordou e abriram a primeira sala de aulas que funcionou na parte superior do prédio da Casa Pastoral que era um sobrado. Alí estava sendo plantada a semente do futuro “Gymnasio Evangelico de Alto Jequitibá”, sob a Direção Técnica do Mackenzie College de São Paulo, inaugurado com 170 alunos internos e externos, em 05/03/1923, e reconhecido pelo Governo Federal, em 1926, recebendo Bancas Examinadoras de fora. O lema do Ginásio era: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria”. O Prof. Tomás Santi, vindo de São Paulo, dirigiu o Ginásio Evangélico de A. Jequitibá de 1928 a 1929.
O Capitão Carlos Heringer cedeu um de seus melhores prédios ao qual foi feito um acréscimo,  e com uma oferta de pessoas interessadas em educação para seus filhos,  e conseguiram organizar o Ginásio em 1922 com os internatos masculinos e femininos, foi inaugurado em 05.03.1923 e reconhecido pelo Governo em 1926.  Foi necessário contratar os professores,  no início, no Rio de Janeiro e São Paulo.  Em Alto Jequitibá havia um farmacêutico, Sr João Augusto de Assis que foi um grande professor,  o Sr Francisco Nora Horta Barbosa, sobrinho do Rev. Aníbal Nora que estudara em Valença , o Prof. Cláudio Neri e sua esposa,  o Rev. João Mota Sobrinho e sua esposa, D Bárbara Johnstone da Silva, Dr. João Damasceno e sua esposa, o engenheiro alemão Dr. Ott e esposa, D Marta Muller foram os esteios daquele que viria a ser um destaque em toda a região, e se projetou grandemente com a chegada do Rev. Cícero Siqueira em 1929.
A escola havia se esvaziado, o número de matrículas reduzido consideravelmente. erguê-lo. Os fazendeiros e comerciantes perderam seu poder financeiro de manter seus filhos na escola com a crise econômica.
Seu fechamento já era visto por muitos, principalmente pelos presbíteros da igreja, quando o Rev. Cícero propõe com humildade "Permitam que eu tente salvar o ginásio..."

e O Rev. Cícero fazia um trabalho diferenciado, estudava o comportamento de cada aluno e após diagnosticá-lo, o tratava adequadamente. Foi conhecido como O Educador. Pouco a pouco o Colégio e a igreja iam crescendo e a falta de espaço forçou a construção de novos prédios e ampliação de outros. Os internatos se encheram e se derramaram por casas compradas às pressas  e improvisadas por dormitórios. Chegavam alunos de toda parte pelo interesse dos pais de darem a seus filhos uma melhor educação para seus filhos, e saberem da influência de um homem capaz de transmitir a cada um a verdadeira razão de viver, o amor  a Deus, à Pátria e à Família. A sua "Semana da Pátria", nas proximidades do 7 de Setembro, precedeu às demais e foi mesmo o modelo de tais comemorações hoje difundidas por todo o País.
Em 15/03/1966 foi doado um prédio do Colégio para ser instalado a Escola Estadual "Rev. Cícero Siqueira"
Foi conhecido no Brasil inteiro e até no exterior pois seus  Internatos Masculinos e Femininos recebiam alunos de todos os cantos. Por lá se passaram muitas pessoas que hoje, doutores, cientistas, engenheiros e outros, certamente guardam na memória as aventuras de uma infância e adolescência que certamente ali tiveram.
O Colégio Evangélico encerrou suas atividades em 1965. No ano seguinte, foi criada a Escola Estadual Rev. Cícero Siqueira, assumindo o Estado a responsabilidade pelo seu funcionamento. Os internatos se mantiveram em operação até 1998
Ainda hoje existe em 7 de Setembro, o desfile dos alunos com carros alegóricos, as barraquinhas de doces e guloseimas que adorávamos quando crianças, e  também onde os ex-alunos se reencontram e se juntam para matar as saudades e relembrar a época que marcou suas vidas.
Existem também a ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS que sobrevive de doações, e tem o intuito de aproximar os ex-alunos organizando eventos e encontros, e a APCE- Associação Presbiteriana Cultural e Educacional - unidas para que esta instituição não caia no esquecimento.
assim ele e sua esposa Dona Cecília Rodrigues Siqueira partiram para a luta, e com a contribuição de todos, fazendeiros, comerciantes, etc...  inclusive de cidades vizinhas, ele assume a direção também do Ginásio Evangélico de Alto Jequitibá (pois viera para assumir somente a igreja), e trabalhou duro para conseguir reO Rev. Cícero fazia um trabalho diferenciado, estudava o comportamento de cada aluno e após diagnosticá-lo, o tratava adequadamente. Foi conhecido como O Educador. Pouco a pouco o Colégio e a igreja iam crescendo e a falta de espaço forçou a construção de novos prédios e ampliação de outros. Os internatos se encheram e se derramaram por casas compradas às pressas  e improvisadas por dormitórios. Chegavam alunos de toda parte pelo interesse dos pais de darem a seus filhos uma melhor educação para seus filhos, e saberem da influência de um homem capaz de transmitir a cada um a verdadeira razão de viver, o amor  a Deus, à Pátria e à Família. A sua "Semana da Pátria", nas proximidades do 7 de Setembro, precedeu às demais e foi mesmo o modelo de tais comemorações hoje difundidas por todo o País.
Em 15/03/1966 foi doado um prédio do Colégio para ser instalado a Escola Estadual "Rev. Cícero Siqueira"
Foi conhecido no Brasil inteiro e até no exterior pois seus  Internatos Masculinos e Femininos recebiam alunos de todos os cantos. Por lá se passaram muitas pessoas que hoje, doutores, cientistas, engenheiros e outros, certamente guardam na memória as aventuras de uma infância e adolescência que certamente ali tiveram.
O Colégio Evangélico encerrou suas atividades em 1965. No ano seguinte, foi criada a Escola Estadual Rev. Cícero Siqueira, assumindo o Estado a responsabilidade pelo seu funcionamento. Os internatos se mantiveram em operação até 1998
Ainda hoje existe em 7 de Setembro, o desfile dos alunos com carros alegóricos, as barraquinhas de doces e gulosseimas que adorávamos quando crianças, e  também onde os ex-alunos se reencontram e se juntam para matar as saudades e relembrar a época que marcou suas vidas.

 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal